Actualização Bancos Centrais 18 Março 2022

EUA

A FOMC finalmente decidiu aumentar a taxa de juro em 0.25% quase de forma unânime. Quase unânime porque um dos membros preferia ver um aumento ainda maior, de 0.50%.

Esta decisão é uma tentativa de combater a inflação presente, como uma forma de reduzir empréstimos através de um encarecimento do das taxas de juro a pagar. Mostra também uma maior preocupação com a inflação, algo que anteriormente acreditavam ser meramente temporária.

Preveem que este ano apenas, exista a possibilidade de aumentarem mais 6 vezes a taxa de juro. Deixando a taxa de juro entre os 1.5% 2% no fim do ano. O Presidente da FOMC, Jerome Powell deixou em aberto subidas de 0.5% caso existir a necessidade, especialmente porque continuam a acreditar num apoio à economia.

Em parte, esta decisão é influenciada pelo conflito causada pela invasão da Rússia à Ucrânia. Acreditam que irá causar ainda mais pressões inflacionarias. Para evitar essa subida poderão também reduzir o seu balanço patrimonial. Algo que tem vindo a aumentar ao longo dos anos para injectar capital na economia para incentivar o consumo através de compras de activos como Titulos do Tesouro.

Powell reafirmou o seu objectivo de manter estabilidade de preços e continuar a manter uma certa flexibilidade sempre que considerarem necessário intervir na economia.

Inglaterra

O Banco de Inglaterra continua a manter-se à frente da maior parte dos Bancos Centrais, aumenando a tua taxa de juro pela terceira vez com o valor actual de 0.75%.

A inflação na Inglaterra já tinha chegado a máximos dos últimos 30 anos antes do inicio do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, mas agora com a revisão pós guerra, as previsões da inflação são ainda maiores.

Como se encontram geograficamente mais perto deste conflito, a sua economia irá sentir sem dúvida consequências, o que deixa o Banco de Inglaterra com decisões difíceis a tomar no futuro.

Haverá uma necessidade de encontra um balanço muito delicado na sua política monetária de forma a evitar uma deterioração económica.

Visite o Disclaimer para mais informações.