Como começar a investir – DCA

Business photo created by schantalao - www.freepik.com
Business photo created by schantalao - www.freepik.com

A decisão de dar os primeiros passos no mundo dos investimentos acarreta uma grande ponderação de decidir como começar. Portanto, numa fase inicial, uma estratégia simples e acautelada será o desejável.

A estratégia DCA, dollar cost averaging, faz parte do nosso cartel de sugestões para o investidor que não tem muito tempo para análises aprofundadas.

Abordemos as linhas gerais deste método por forma a validarmos a nossa perspectiva.

O timing de acção é um indicador importante no nosso percurso de investidor. Trivialmente a pergunta chave é:

Quando investir?

O pressuposto é irrefutável, o investimento deve ser feito quando o activo está barato, mas esta avaliação tem de ser feita com algum conhecimento, tempo ou mesmo até um pouco de sorte.

O princípio estratégico do DCA pode ter um bom contributo para direccionar o nosso investimento.

O que é DCA?

O processo envolve o investimento de uma quantia fixa em intervalos regulares. A quantia e período são definidos pelo investidor, influenciadas pelo tipo perfil, mas o foco principal é a disciplina, manter-se regular.

Na prática:

Com um objectivo de investimento num EFT (inserir link) de 1000€ a cada trimestre cujo valor de unidade é 100€, permite-nos adquirir 10 unidades. Na próxima compra agendada, considerando as alterações de valores, o preço por unidade pode descer. Assim, para um valor de 75€ por unidade vai ser possível adquirir mais 3 unidades em relação a uma compra igual no período anterior. Por oposto, caso o valor unidade aumentasse, com o mesmo investimento compraríamos menos unidades.

É esta a dualidade que nos confere a segurança a longo prazo. Assumindo que o activo irá valorizar ao longo dos anos, com esta disciplina de acção pode reduzir-se o preço médio.

Num cenário diferente, poderíamos ter investido todo o capital disponível no início e caso a tendência fosse para a descida, iríamos ter perdas em relação ao valor disponível no início e existiria sempre a incerteza pela melhor forma de o recuperar ou minimizar essa perda. Não conseguimos garantir como se move a tendência de valorização dos activos (em situações normais).

Vantagens

  • Ao simplificar o investimento reduz a incerteza e por consequência o stress e os problemas associados à tomada de decisão.
  • Para além do conhecimento dos activos em questão não é necessário muito mais. As compras regulares eliminam a necessidade de um conhecimento macroeconómico.
  • Diminui o preço médio de compra de forma consistente sem grande esforço.

Desvantagens

  • Não é uma estratégia ideal para um investidor que tem um grande valor para um investimento inicial assumindo que o activo irá continuar a valorizar.
  • Pode fazer compras de activos em picos de valor.
  • Por vezes um investidor pode-se tornar desleixado pela simplicidade desta estratégia e ignorar certos aspectos chave no processo de investimento.

Conclusão

Esta estratégia é um bom método para retirar certos factores no processo de decisão como a incerteza e um maior conhecimento macroeconómico. É especialmente útil para investimentos a longo termo.

É ideal para investidores em “inicio de carreira” e que não possuam grandes quantias iniciais para investir. Desta maneira torna-se possível construir um portefólio considerável ao longo dos anos.

Visite o Disclaimer para mais informações.