Resumo da semana 16-20 Agosto 2021

EUA

O início desta semana veio com uma subida nos principais índices bolsistas, conseguindo, outra vez, atingir novos máximos históricos. Mas a meio da semana vários factores vieram pesar no sentimento do investidores e causaram uma correcção. Os dois principais factores que muito provavelmente estão por de trás desta correcção são a FOMC e o abrandamento económico Chinês.

Novos sinais de um abrandamento na China cada vez de maior relevo e avisos por parte da SEC, a organização equivalente à CMVM nos EUA, para exercer alguma caução em investimentos em empresas Chinesas. Outra grande causa, a FOMC, depois das minutas da reunião de Julho serem reveladas na quarta-feira, criou sem dúvida um possível ponto de viragem na direcção da FOMC. As minutas mostraram que cada vez mais os membros da FOMC estão a favor de iniciar a redução do programa de estímulos monetários em vigor.

Europa

Algo similar aconteceu na Europa, com noticias do abrandamento económico, o continuo flagelo causado pela variante Delta da COVID-19 e por fim, a crise no humanitária no Afeganistão.

O Reino Unido, apesar de ter visto a sua taxa de inflação diminuir, também viu as suas vendas cair, com valores a serem revelados bastante abaixo do previsto.

Ásia

A economia Japonesa, apesar de enormes contra-partidas como o difícil controlo da COVID-19 que obrigou o Governo a expandir as suas medidas de confinamento, consegue apresentar números bastante positivos. Dados mostram que a economia está a voltar ao crescimento desde do segundo trimestre deste ano. Muitas empresas afirmam estar com uma melhor visão do futuro com o crescimento de procura vindo de outras economias.

A regulação Chinesa volta a focar-se noutro novo sector, o das bebidas alcoólicas. Outros sectores como o da saúde também caíram na bolsa Chinesa devido aos medos de quebras de lucros.

Visite o Disclaimer para mais informações.