Resumo da Semana – 18 a 20 Jan 23

EUA 

A bolsa de valores nos EUA teve uma semana mista, com preocupações sobre uma potencial recessão a afetar o sentimento dos investidores. No entanto, as ações de crescimento tiveram um bom desempenho devido à possibilidade de taxas de juro mais baixas, o que aumentou o valor de ações de crescimento. 

Houve vários indícios de que a economia estava a abrandar, tais como uma diminuição de 1,1% nas vendas a retalho em Dezembro. 

Do lado positivo, as pressões inflacionistas estavam a diminuir, como mostra uma queda de 0,5% nos preços no produtor em Dezembro. Apesar do enfraquecimento da economia, o mercado de trabalho permaneceu apertado, com as reivindicações semanais de desemprego no seu nível mais baixo desde Abril de 2022. 

Além disso, o início da construção de habitações e as vendas de casas existentes foram ligeiramente inferiores ao esperado. 

Europa 

A Presidente do BCE, Christine Lagarde, declarou que, a especulação do mercado sobre um abrandamento da política monetária devido, a uma diminuição dos preços da energia, era incorreta, e que o BCE continuaria a aumentar as taxas até que a inflação estivesse sob controlo. 

A ata da reunião de Dezembro do BCE revelou que um número significativo de membros queria aumentar os custos dos empréstimos em 0,75%. Isto indica que haverá provavelmente um aumento de pelo menos 0,50% na próxima reunião. 

No Reino Unido, a inflação caiu de 10,7% para 10,5% em Dezembro, com o Governador do BoE a afirmar que pode ser um sinal de que a inflação está finalmente a começar a diminuir e que a sua taxa terminal pode situar-se entre 4,5% e 5%. 

Ásia 

Na Ásia, o sentimento no Japão foi positivo devido à reabertura da China, o que poderia impulsionar a economia global. O BOJ não fez quaisquer alterações à sua política monetária na sua reunião de Janeiro e manteve as suas taxas ultra baixas. 

Os mercados bolsistas chineses também subiram, apesar do PIB não ter correspondido às expectativas. Alguns dados de consumo interno revelam uma melhoria, e o Ano Novo chinês promete também algum aumento do consumo com a enorme migração agora em curso. É de relembrar que o COVID-19 continua bem presente e pode provar ser um problema para a melhora económica da China. 

Visite o Disclaimer para mais informações.