Resumo da semana 19-23 Setembro 2022

EUA

Pela segunda vez vemos uma semana de fortes quedas nos principais índices da bolsa americana. Com a reunião da FOMC e reforçar que as taxas de juro de referência são para continuar a subir. O anuncio de 0.75% era esperado, no entanto isto mostrou que a este ritmo até ao fim do ano chegue perto dos 4.50% e se mantenha assim por grande parte de 2023.

Reveram também algumas previsões para o fim de 2022 e para 2023. Infelizmente, estas revisões foram pela negativo, o que irá sem duvida reduzir a probabilidade da Reserva Federal atingir a “aterragem suave” com o minimo impacto para a economia.

Europa

O medo de uma possivel recessão intensificou esta semana, levando a outra queda abrupta. Muitos bancos da Europa aumentaram as suas taxas de juro de referência, alguns de forma consideravel, o que levou a um aumento geral dos juros das obrigações de muitos países Europeus. A actividade economica europeia voltou a contraír esta semana, pela terceira consecutiva.

A actividade economica europeia voltou a contraír esta semana, pela terceira consecutiva.

Ásia

Apesar da aceleração da inflação, que se encontra perto dos 2.8% segundo valores de Agosto, o Banco Central do Japão decidiu manter a sua taxa de juro de referência inalterada, mantendo-se em território negativo. Esta decisão despoletou a fuga de muitos investidores do yen para o dolar americano. Com este resultado o Japão interviu no seu mercado cambial pela primeira vez em mais de 20 anos, de forma a prevenir uma desvalorização abrupta da sua moeda.

Algo similar se viu na China, com o abrandamento económico global a aumentar o medo de uma recessão. Apesar de o fazer bem mais frequentemente que o Japão, a China mostrou que recentemente tem lutado ferozmente para abrandar o ritmo da depcreciação do yuan. Com o problema no sector imobiliário ainda presente o alvo de crescimento anual da China dificilmente será atingido.

Visite o Disclaimer para mais informações.